Variedades   |   Seja sócio  |  Ninhadas  | Criadores  |  Contactos

REGULAMENTO INTERNACIONAL DE CRIAÇÃO DA F.C.I.

 

PONTO 18. COMPROVATIVO DE IDENTIFICAÇÂO
Todos os cães criados e registados perante a FCI, através de um País Membro ou Parceiro Contratual, são prestados com carácter permanente e à prova de falsificação da identificação; esta identificação é para aparecer em sua genealogia.


Em princípio, uma ninhada é registrada com o “Stud Book/Livro de Origens” do país onde o proprietário da cadela seja residente (résidence habituelle) e certamente vai ter o seu nome de canil. No caso da "residênce habituelle" não poder ser legalmente definida, o dono da cadela tem o direito de ter a sua ninhada, nascidos e registrados, no país em que ele/ela vive no momento do acasalamento, desde que os seguintes requisitos sejam satisfeitos:
*Compreende-se (résidence habituelle) como residência habitual.

- O proprietário tem de cumprir as exigências da reprodução do Clube de Canicultura do país onde ele/ela estejam a viver no momento do acasalamento.
- O proprietário tem que apresentar um certificado emitido pelas autoridades locais competentes do local onde ele/ela vive indicando que ele está hospedado (sem interrupção) neste país por um período mínimo de 6 meses.

Após a observância desses requisitos, o “Clube de Canicultura Nacional do País” onde o proprietário vive no momento do acasalamento, tem de registar a ninhada nascida no seu território com o seu “Stud Book/Livro de Origens”, emitir a genealogia de filhotes com o nome do proprietário do canil e do endereço onde ele/ela estejam a viver.

As excepções são concedidas nos casos em que o criador de cães reside num país que não tenha reconhecimento pela FCI de um “Stud Book/Livro de Origens”. Este obtentor pode registrar a ninhada num país que mantém um “Stud Book/Livro de Origens” reconhecido pela FCI.
Todas as ninhadas deverão a ser devidamente registadas; isso inclui todos os filhotes criados para a data do pedido de registo.
Pedigrees, que são na realidade certificados de nascimento, devem ser emitidos apenas para corrigir parentesco. Normalmente, uma fêmea está a ser coberta por um só e único macho para a mesma ninhada. Nos casos de desvios ou suspeitas, os Clubes Nacionais de Canicultura são obrigados, a custos do obtentor, para que o parentesco seja comprovado por testes de DNA. Se um teste de DNA é realizado, a identificação (chip ou tatuagem) do cão deve ser controlada e certificada por um veterinário, que recolhe a amostra, como é o caso de qualquer protocolo de saúde; o resultado do teste de certificado, o laboratório deve incluir a identificação do cão .

 

(voltar ao menu anterior)

 

Nenhuma parte deste site deverá ser copiada sem a autorização expressa dos responsáveis do Clube             Fundado em 1982             

© 2010 Collie Clube de Portugal ® (CCP Copyright - Todos os direitos reservados)                                                                                                                Webmaster

Variedades   |  Os nossos Collies  | História do CCP  |  Seja nosso sócio  |  Contactos  | Ninhadas  | Exposições  |  Actividades